quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Dias arco-íris

Confesso que não gosto de fins de ano.
A minha alma fica um pouco cinzenta e, como se isso não bastasse, o tempo decidiu fazer-lhe companhia e o Inverno arrancou também ele em cinzento-chuva, cinzento-frio, cinzento-vento...
Por isso, e para afastar as más energias, hoje decidi pintar aqui um arco-íris! É que, no fundo, adoro a COR e sei que as cores têm uma grande influência nas pessoas e no ambiente que as envolve. Por isso, a minha última mensagem deste ano é sobre o significado das cores.

O branco significa luz, equilíbrio, paz e pureza. Afasta as energias negativas e traz boas vibrações.
O amarelo transmite calor e descontracção. Pode trazer dinheiro e riqueza.
O laranja significa movimento e espontaneidade. Pode ajudar nas conquistas pessoais e profissionais.
O vermelho é a cor da paixão, do amor e do desejo. Ao usá-la atrai força e energia.
O azul transmite tranquilidade, fidelidade, personalidade. Simboliza a paz de espírito!
Verde é a cor da esperança, dos recomeços. Renova as energias trazendo um novo equilíbrio.
Os conceitos de espiritualidade e intuição estão intimamente ligados ao violeta: inspiração, imaginação e estabilidade, são conceitos associados a esta cor.
O romantismo, a beleza, a saúde e a sensualidade estão ligados ao cor-de-rosa.
E o castanho representa maturidade, consciência e responsabilidade.
Já o preto está associado ao mistério e fantasia. Transmite também sofisticação e luxo.
O prateado está associado às novas tecnologias, à inovação e modernidade, e o dourado está simbolicamente associado ao ouro e à riqueza.
AGORA É SÓ ESCOLHER O TOM, PARA QUE POSSAM PINTAR OS DIAS DO NOVO ANO COM A COR QUE MAIS VOS AGRADAR...OU, SE PREFERIREM, FAZER DE CADA DIA UM ARCO- ÍRIS! FELIZ 2010.

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

...a happy new year!

Ainda com um pé no Natal, mas já com outro no início de um novo ano, deixo hoje aqui este Happy Xmas (War is Over), de John Lennon. É uma das minhas canções preferidas nesta época, como já vos tinha dito aqui, porque reflecte -na música e na letra- o espírito da quadra, com todas as interrogações, algumas angústias, mas também os votos de mudança, felicidade e esperança que nos iluminam nestes dias.

"So this is Xmas
And what have you done
Another year over
And a new one just begun.

And so this is Xmas
I hope you have fun
The near and the dear one
The old and the young.
A very Merry Xmas
And a happy New Year
Let's hope it's a good one
Without any fear.
And so this is Xmas
For weak and for strong
For rich and the poor ones
The world is so wrong.

And so happy Xmas
For black and for white
For yellow and red ones
Let's stop all the fight (...)"

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Ídolos

Não vejo muita televisão mas, de há umas 3 semanas a esta parte, tenho seguido as Galas do "Ídolos". É um bom programa de entretenimento e o resultado dos castings (que não segui, por não gostar do timbre humilhatório de que se revestem a maior parte das vezes) foi feliz, já que a qualidade dos candidatos é manifestamente boa.
Ora, a esta altura do campeonato o grau de exigência começa a aumentar e o facto de, em cada gala, sair um dos candidatos faz-nos estar mais atentos às qualidades ou às fraquezas de cada um. Infelizmente, já diz o ditado popular, "mais vale cair em graça, que ser engraçado"... E foi o que se passou ontem com a Catarina.
Para mim era das concorrentes mais completas e forte candidata à vitória. Mas o público preferiu expulsá-la ao invés de o fazer com a Inês ou o Salvador, malgrado as pouco felizes interpretações de ambos na gala de ontem.
Para além disso, ficou já patente em galas anteriores que, quer a Inês quer o Salvador, apenas funcionam bem em determinados registos, sendo -na minha modesta opinião- os concorrentes mais fracos desta edição.
No entanto, há concorrentes que, independentemente das suas qualidades, granjeiam uma simpatia especial por parte do público. Ora o público votou e -nesta fase do programa- a sua opinião é soberana. Perdeu-se uma grande candidata mas espero que não se tenha perdido uma grande artista...

domingo, 27 de dezembro de 2009

Falas de civilização...

Um poema de Alberto Caeiro, para reflectir por estes dias de balanço...

"Falas de civilização, e de não dever ser,
Ou de não dever ser assim.
Dizes que todos sofrem, ou a maioria de todos,
Com as coisas humanas postas desta maneira,
Dizes que se fossem diferentes, sofreriam menos.
Dizes que se fossem como tu queres, seriam melhor.
Escuto sem te ouvir.
Para que te quereria eu ouvir?
Ouvindo-te nada ficaria sabendo.
Se as coisas fossem diferentes, seriam diferentes: eis tudo.
Se as coisas fossem como tu queres, seriam só como tu queres.
Ai de ti e de todos que levam a vida
A querer inventar a máquina de fazer felicidade!"

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

E é NATAL!

"Quisera Senhor, neste Natal, armar uma árvore dentro do meu coração e nela pendurar, em vez de presentes, os nomes de todos os meus amigos. Os amigos de longe e de perto.
Os antigos e os mais recentes. Os que vejo a cada dia e os que raramente encontro. Os sempre lembrados e os que às vezes ficam esquecidos. Os constantes e os intermitentes. Os das horas difíceis e os das horas alegres, os que sem querer eu magoei, ou, sem querer, me magoaram.
Aqueles a quem conheço profundamente e aqueles de quem não conheço senão as aparências. Os que pouco me devem e aqueles a quem muito devo. Meus amigos humildes a meus amigos importantes.
Os nomes de todos os que já passaram pela minha vida.
Uma árvore de raízes muito profundas para que seus nomes nunca mais sejam arrancados do meu coração. De ramos muito extensos, para que novos nomes vindos de todas as partes, venham juntar-se aos existentes. De sombras muito agradáveis para que nossa amizade, seja um oásis nas lutas da vida.
Que o natal esteja vivo dentro de nós em cada dia do ano que se inicia, para que possamos viver sempre o amor e a fraternidade."

VOTOS DE UM SANTO NATAL E DE UM ANO 2010 COM MUITOS MOMENTOS FELIZES!

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

"Last Christmas" na versão David Fonseca


Apesar de não gostar particularmente desta música -ao contrário da amiga que me enviou o vídeo- não resisti a colocar aqui hoje "Last Christmas" na versão de David Fonseca.

Porque gosto de David Fonseca, como já registei aqui e aqui e porque mais uma vez, neste trabalho, prova que é um one man show. Para além da belíssima voz e dos diversos instrumentos que toca nesta performance, destaque para a concepção e realização do vídeo, áreas onde David Fonseca também dá cartas.
Registe-se ainda que o cantautor tem novo disco - Between waves - (em versão cd, cd+dvd, lp+cd e hugh fan pack) uma boa proposta para quem ainda não sabe o que oferecer neste Natal ;) Um artista que sabe (re)inventar-se e que, ainda por cima, tem raízes na nossa terra!

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Tempo para escrever um postal ?!

Tenho por hábito, nesta época natalícia, enviar uns quantos postais pelo correio tradicional. Ainda são uns quinze, nomeadamente para aqueles amigos com os quais costumava trocar correspondência nos "velhos tempos". Faço-o por uma questão de princípio e porque concordo com a máxima "Faz aos outros o que gostavas que te fizessem a ti!"
Na verdade adoro ter um postal na caixa do correio ;) Significa que alguém se lembrou de mim, comprou o postal, escreveu-o com maior ou menor inspiração (não sendo isso o mais importante), teve o trabalho de ir aos Correios comprar o selo e enviá-lo. E ontem recebi nada menos que 3 postais :)) Obrigada amigos!
Acredito que é bom mantermos alguns destes hábitos que nos obrigam a "perder" tempo, na voracidade dos dias que correm.
A propósito, deixo-vos um texto bíblico a que recorro muitas vezes. Apesar de ser do Antigo Testamento (Eclesiastes 3, 1-9) mantém a actualidade e, neste tempo, vale a pena parar para ler e reflectir:
"Para tudo há um tempo debaixo do céu.
Há momento para tudo e tempo certo para cada coisa.
Há tempo de nascer e tempo de morrer;
tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou;
tempo de matar e tempo de curar;
tempo de derrubar e tempo de construir.
Há tempo de ficar triste e tempo de se alegrar;
tempo de chorar e tempo de dançar;
tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntá-las;
tempo de abraçar e tempo de afastar.
Há tempo de procurar e tempo de perder;
tempo de economizar e tempo de desperdiçar;
tempo de rasgar e tempo de remendar; tempo de ficar calado e tempo de falar.
Há tempo de amar e tempo de odiar; tempo de guerra e tempo de paz."
PS - A ilustração de cima é de uma campanha dos serviços postais australianos e a mensagem é a seguinte: "Se realmente quer tocar alguém, envie-lhe uma carta". Assino por baixo...

domingo, 20 de dezembro de 2009

Exposição de presépios

Venho só lembrar que, no âmbito do Natal Penicheiro, está patente ao público, até 6 de Janeiro, no Pavilhão do Stella Maris, uma exposição de presépios, iniciativa da Pastoral da Fraternidade da Paróquia de Peniche.
Setenta e cinco presépios
(com diferentes tamanhos, elaborados em vários materiais e com estilos e origens geográficas diversas) podem ser apreciados todos os dias, das 14h:30 às 19h:00 e das 21h:00 às 23h:00.
Porque, digo-vos eu, vale a pena visitar esta exposição, não guardem para amanhã o que podem fazer hoje e vão até ao Stella Maris apreciar a diversidade e a beleza que a imagem da Sagrada Família -e seus acompanhantes - inspiraram! E inspirem-se também vós para viver da melhor forma o Natal que se aproxima. São esses os meus votos...
Foto: CMP

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Presépio de Lata

É o título de uma das músicas de Rui Veloso e Carlos Tê que mais gosto de ouvir. Aqui fica, bem a propósito destes dias que antecedem mais um Natal...Podem acompanhar a letra ouvindo-a aqui.


" Três estrelas de alumínio
A luzir num céu de querosene
Um bêbedo julgando-se césar
Faz um discurso solene

Sombras chinesas nas ruas
Esmeram-se aranhas nas teias
Impacientam-se gazuas
Corre o cavalo nas veias

Há uma luz branca na barraca
Lá dentro uma sagrada família
À porta um velho pneu com terra
Onde cresce uma buganvília

É o presépio de lata
Jingle bells, jingle bells,

Oiçam um choro de criança
Será branca negra ou mulata
Toquem as trompas da esperança
E assentem bem qual a data

A lua leva a boa nova
Aos arrabaldes mais distantes
Avisa os pastores sem tecto
Tristes reis magos errantes

E vem um sol de chapa fina
Subindo a anunciar o dia
Dois anjinhos de cartolina
Vão cantando aleluia

É o presépio de lata
Jingle bells, jingle bells,

Nasceu enfim o menino
Foi posto aqui à falsa fé
A mãe deixou-o sozinho
E o pai não se sabe quem é

É o presépio de lata
Jingle bells, jingle bells."


PS - O presépio que ilustra este post não é de lata mas de barro...um presépio das Irmãzinhas de Jesus que, em Portugal, tem a sua casa-mãe em Fátima.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Prémio Pessoa 2009

Fiquei feliz por saber que o prémio Pessoa de 2009 distinguiu D. Manuel Clemente. Este prémio pretende “reconhecer a actividade de pessoas portuguesas com papel significativo na vida cultural e científica do país” e, como podemos ler na justificação da atribuição do prémio ao bispo do Porto, "em tempos difíceis como os que vivemos actualmente, D. Manuel Clemente é uma referência ética para a sociedade portuguesa no seu todo (...) A sua intervenção cívica tem-se destacado por uma postura humanística de defesa do diálogo e da tolerância, do combate à exclusão e da intervenção social da Igreja".
D. Manuel Clemente nasceu há 61 anos no Concelho de Torres Vedras e durante vários anos foi bispo auxiliar de Lisboa, nomeadamente desta zona Oeste, tendo sido nomeado bispo do Porto em Fevereiro de 2007.
Licenciado em História e Teologia e doutorado em Teologia Histórica, é presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais, professor de História da Igreja na Universidade Católica Portuguesa e director do Centro de Estudos de História Religiosa na mesma universidade. Interveniente e comunicativo é uma das vozes mais ouvidas da Igreja católica portuguesa, nomeadamente nas questões histórico-teológicas, sendo reconhecida a sua simpatia, acessibilidade e talento para comunicar. No ano passado, foi o primeiro bispo português a usar o YouTube para transmitir a mensagem de Natal. Para saberem algo mais, sugiro a leitura deste artigo do Público.

Mulheres

Estocolmo foi ontem cenário de uma gala histórica, graças ao número recorde de mulheres - cinco - distinguidas com o Prémio Nobel: Elinor Ostrom, a primeira a receber o de Economia desde a criação deste galardão; Herta Müller em Literatura; Elizabeth H. Blackburn e Carol Grieder em Medicina e Ada Yonath em Química formam o conjunto de mulheres que superou a fasquia estabelecida em 2004, quando três mulheres foram galardoadas.
Curiosamente, na revista MÁXIMA de Janeiro de 2010, li há dias um artigo intitulado 365 dias muitas mais mulheres que, na introdução, diz algo como "...quem ainda acha que este é um mundo de homens anda, no mínimo, distraído", e que -ao longo do artigo- vai referindo situações em que, durante o ano 2009, se começou a desenhar uma maior relevância feminina no mundo actual, tendência que deverá acentuar-se nos próximos anos. De 2009 aqui ficam alguns exemplos:
- em Fevereiro, Johanna Sigurdardottir toma posse como primeira-ministra da Islândia;
- Tzipi Livni, líder do Kadima, derrota Benjamin Netanyahu nas eleições em Israel;
- em Maio, Carol Ann Duffy torna-se na primeira mulher a ser distinguida com o prémio de poeta laureado do Reino Unido, em 341 anos;
- em Junho, a Forbes divulga que Angelina jolie é a maior celebridade do mundo e Oprah a mais bem paga;
- em Setembro, Marzieh Vahid-Dastjerdi toma posse como ministra da saúde no Irão, tornando-se a primeira mulher a ocupar uma pasta ministerial nos 30 anos de república do país;
- em Outubro, o Man Booker Prize é atribuído a uma mulher: Hillary Mantell;
-em Novembro, Portugal assiste à tomada de posse de cinco mulheres para cargos ministeriais...
São as mulheres a dar cartas, nomeadamente em áreas que lhes estiveram vedadas muitos anos, sem descurar os campos a que desde sempre estiveram associadas como a maternidade, o espaço doméstico ou o cuidado da família.
Os sinais dos tempos anunciam um mundo mais equilibrado nas questões de género, que esperemos se reflicta numa resposta mais inteligente e concertada face aos desafios que teremos de enfrentar nos próximos anos.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

História antiga

Um poema de Miguel Torga que acho particularmente engraçado, bem a propósito da quadra...


"Era uma vez, lá na Judeia, um rei.
Feio bicho, de resto:
Uma cara de burro sem cabresto
E duas grandes tranças.
A gente olhava, reparava, e via
Que naquela figura não havia
Olhos de quem gosta de crianças.
E, na verdade, assim acontecia.

Porque um dia,
O malvado,
Só por ter o poder de quem é rei
Por não ter coração,
Sem mais nem menos,
Mandou matar quantos eram pequenos
Nas cidades e aldeias da Nação.
Mas,

Por acaso ou milagre, aconteceu
Que, num burrinho pela areia fora,
Fugiu
Daquelas mãos de sangue um pequenito
Que o vivo sol da vida acarinhou;
E bastou
Esse palmo de sonho
Para encher este mundo de alegria;
Para crescer, ser Deus;
E meter no inferno o tal das tranças,
Só porque ele não gostava de crianças."

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

NATAL Penicheiro



E porque é Natal, também está aí o NATAL PENICHEIRO.
Mais logo, na Igreja de S. Pedro,

Fado em Oração.
Amanhã, pelas 21h30, inaugura a exposição de presépios que estará
patente no Pavilhão do Stella Maris.A visitar...

domingo, 6 de dezembro de 2009

Livros

O Natal está aí e já me trouxe uns presentinhos antecipados...ainda por cima LIVROS:

"Pegadas na areia", de Margaret Fishback Powers; "Inéditos", de Antoine de Saint-Exupéry; e "Citações e pensamentos de Agostinho da Silva", numa selecção de Paulo Neves da Silva. Tudo bons motivos de leitura.

Obrigada 'miga ;)

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Morrer é só não ser visto

Acabei hoje de ler o novo livro de INÊS DE BARROS BAPTISTA, intitulado Morrer é só Não Ser Visto. É um livro composto por testemunhos de diversas pessoas, acerca da forma como encaram a morte e como fizeram, ou continuam a fazer, o luto por familiares e amigos que perderam ao longo da vida. Apesar do tema ser aparentemente soturno e triste, o livro surpreende-nos pela positiva, inspirando sentimentos de esperança.

Como refere a sinopse que podemos ler no WOOK: “(...)São histórias de vida que nos tocam pela capacidade de transmitir sentimentos e emoções sem máscaras e que nos inspiram pela força inusitada destas experiências de vida. As fragilidades da vida humana são aqui expostas. Os testemunhos recolhidos são de pessoas anónimas e personalidades conhecidas que foram escolhidas pela luz especial que comunicam e que através de um discurso positivo emitem sinais de esperança, força e amor. Sempre o amor. Com prefácio e posfácio de uma psicóloga e de um padre, o livro pretende chegar ao transcendente e aos mistérios da vida. "

O título do livro foi retirado de um poema de Fernando Pessoa, cujo aniversário da morte teve lugar na passada 2ª feira. E nas palavras do poeta...

"A morte é a curva da estrada,
A morte é a curva da estrada,
Morrer é só não ser visto.
Se escuto, eu te oiço a passada
Existir como eu existo.

A terra é feita de céu.
A mentira não tem ninho.
Nunca ninguém se perdeu.
Tudo é verdade e caminho."

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Dia mundial de luta contra a SIDA

É já a manhã, dia 1 de Dezembro que se assinala o Dia mundial de luta contra a Sida.

À semelhança do ano passado, a Acompanha, pretende assinalar esta data, em Peniche, com a realização da “III Caminhada de Luta Contra a SIDA”. A concentração está marcada para as 10h00 na Praça Jacob Rodrigues Pereira (Jardim).

Na mesma praça, das 10h00 às 16h00 será possível fazer o rastreio VIH / SIDA gratuito e confidencial.

Para que esta iniciativa possa ter sucesso, a presença de todos é fundamental.

Vamos juntar-nos a esta causa!


quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Alimente esta ideia!

É já no próximo fim-de-semana (dias 28 e 29 de Novembro) que terá lugar mais uma campanha de recolha de alimentos promovida pelos Bancos Alimentares. Por cá, a iniciativa é promovida pelo Banco Alimentar do Oeste (BAO), e decorrerá nos cerca de 52 supermercados da região oeste aderentes a esta iniciativa.

Para ajudar só terá de fazer o seu donativo de alimentos num saco que será fornecido por um dos cerca de 1500 voluntários do BAO que irão colaborar na campanha.
Quem quiser ser voluntário nesta campanha também o poderá fazer: só tem de se dirigir à sede do BAO, sita no Armazém da Refer, Largo da Estação, Caldas da Rainha ou contactar via e-mail:
ba.oeste@bancoalimentar.pt

E porque é bom noticiar o que de melhor se vai fazendo por aí, aqui ficam alguns números referentes à acção do BAO:
• Voluntários envolvidos nas campanhas: 1250 voluntários
• Alimentos recolhidos na campanha de Maio 2009 – cerca de 76.400Kg
• Alimentos distribuídos em 2008 – 337 toneladas
• Número de pessoas apoiadas pela acção do BAO – cerca de 4000
• Número de instituições e grupos sociais que recebem e distribuem alimentos recolhidos pelo BAO:46
Colabore! Nunca é demais alimentar esta ideia!

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Fala do Homem Nascido

Caso ainda fosse vivo, faria hoje 103 anos um dos maiores poetas portugueses, pelo menos para mim.
Falo de Rómulo Vasco da Gama de Carvalho, mais conhecido como ANTÓNIO GEDEÃO. Não passou a barreira dos 100 anos mas passou a dos 90, tendo deixado este mundo a 19 de Fevereiro de 1997. Quanto aos seus poemas, esses, permanecem! E hoje, aqui fica mais um -Fala do Homem Nascido - neste blogue assumidamente fã da poesia do cientista-poeta:

"Venho da terra assombrada,
do ventre de minha mãe;
não pretendo roubar nada
nem fazer mal a ninguém.
Só quero o que me é devido
por me trazerem aqui,
que eu nem sequer fui ouvido
no acto de que nasci.

Trago boca para comer
e olhos para desejar.
Com licença, quero passar,
tenho pressa de viver.

Com licença! Com licença!
Que a vida é água a correr.
Venho do fundo do tempo;
não tenho tempo a perder.

Minha barca aparelhada
solta o pano rumo ao norte;
meu desejo é passaporte
para a fronteira fechada.
Não há ventos que não prestem
nem marés que não convenham,
nem forças que me molestem,
correntes que me detenham.

Quero eu e a Natureza,
que a Natureza sou eu,
e as forças da Natureza
nunca ninguém as venceu.

Com licença! Com licença!
Que a barca se fez ao mar.
Não há poder que me vença.
Mesmo morto hei-de passar.

Com licença! Com licença!
Com rumo à estrela polar."

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Improvisos

Improvisos é o nome do blogue que divulga a ideia. A ideia é criar um grupo de teatro amador em Peniche e é concerteza uma ideia que agradará a muitos penicheiros.
Se é um deles, e tem mais de 17 anos, está na hora de se inscrever.
E tem até ao dia 30 de Novembro para o fazer.

Improvisos é também o nome dado ao grupo e o mote que o move é
ATREVE-TE! INSPIRA-TE! APARECE!
De que é que está à espera?

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Presentes solidários 2009

À semelhança dos anos anteriores, a Fundação Evangelização e Culturas promove, mais uma vez, este ano a campanha Presentes Solidários, com o lema "Dar a duplicar".
A ideia é presentear alguém oferecendo, em seu nome, algo que faz falta num dos países de expressão portuguesa. Este ano são estas as opções.
Em vez de darem voltas às vossas cabeças em busca do presente ideal para oferecerem, porque não passarem por aqui e escolherem?

Pensem nisso...

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Poema aos amigos



Um amigo enviou-mo e hoje partilho-o aqui...o "Poema aos amigos" do escritor argentino Jorge Luís Borges.
Com um especial obrigada àqueles que me dão o prazer de serem meus amigos...

"Não posso dar-te soluções
Para todos os problemas da vida,
Nem tenho resposta
Para as tuas dúvidas ou temores,
Mas posso ouvir-te
E compartilhar contigo.

Não posso mudar
O teu passado nem o teu futuro.
Mas quando necessitares de mim
Estarei junto a ti.

Não posso evitar que tropeces,
Somente posso oferecer-te a minha mão
Para que te sustentes e não caias.

As tuas alegrias
Os teus triunfos e os teus êxitos
Não são os meus,
Mas desfruto sinceramente
Quando te vejo feliz.

Não julgo as decisões que tomas na vida,
Limito-me a apoiar-te,
A estimular-te
E a ajudar-te sem que me peças.

Não posso traçar-te limites
Dentro dos quais deves actuar,
Mas sim, oferecer-te o espaço necessário para cresceres.

Não posso evitar o teu sofrimento
Quando alguma mágoa te parte o coração,
Mas posso chorar contigo
E recolher os pedaços
Para armá-los novamente.

Não posso decidir quem foste
Nem quem deverás ser,
Somente posso
Amar-te como és
E ser teu amigo.

Todos os dias, penso
Nos meus amigos e amigas,
Não estás acima,
Nem abaixo nem no meio,
Não encabeças nem concluis a lista.
Não és o número um
Nem o número final.
E tão pouco tenho a pretensão de ser
O primeiro, o segundo ou o terceiro da tua lista.
Basta que me queiras como amigo.

Dormir feliz.
Emanar vibrações de amor.
Saber que estamos aqui de passagem.
Melhorar as relações.
Aproveitar as oportunidades.
Escutar o coração.
Acreditar na vida.

Obrigado por seres meu amigo."

terça-feira, 17 de novembro de 2009

O que eu desejo...

Hoje apeteceu-me repetir este post. É que, de vez em quando, gosto de reler este texto (O que eu desejo pr'a você, um original de Vitor Hugo adaptado por Vinicius de Moraes).
E como um texto tem (pelo menos) tantas leituras quantos os seus leitores, e estados de alma, aqui fica mais uma vez este belíssimo texto...sujeito a todas as possíveis leituras que dele queiram fazer.
PS - A mim, pessoalmente, é um texto que me acalma, que me faz pensar nas diferentes formas como podemos encarar a vida e como tudo é, em certa medida, relativo. Há também nele uma dose de esperança e uma certa paz interior que nos vem da certeza de termos quem goste de nós e nos deseje bem.

domingo, 15 de novembro de 2009

Encontroversas II - A outra margem

Aos leitores mais assíduos deste blogue peço desculpa pela minha ausência nestes últimos dias. Entre outras coisas, tal como tinha dito aqui , estive nas Encontroversas promovidas pela Cercipeniche e, uma vez mais, valeu a pena.
Para além dos intervenientes nos diversos painéis que, naturalmente uns mais do que outros, animaram os presentes com as suas reflexões, experiências de vida e tomadas de posição, estas Encontroversas tiveram um fim muito especial: a passagem do filme "A outra margem", seguida de debate com a presença do realizador Luís Filipe Rocha e dos actores Maria d'Aires, Francisco Brás e Tomás Almeida.
Confesso que ainda não o tinha visto e adorei o que vi. O filme foi premiado em Guadalajara (México) e em Montréal (Canadá) e obteve outras nomeações em festivais internacionais. E percebe-se porquê: uma realização sensível, uma história actual (e porventura controversa), uma belíssima fotografia, uma não menos cuidada banda sonora e, sobretudo, um naipe de actores "de se lhe tirar o chapéu".
Eu tiro o meu particularmente a este ;) Bonito, Tomás!

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Não só, mas também...

...porque hoje é Dia de S. Martinho, mais logo espero comer umas quantas castanhas acabadinhas de assar. E vocês?

"Quem quer quentes e boas, quentinhas?
A estalarem cinzentas, na brasa.
Quem quer quentes e boas, quentinhas?
Quem compra leva mais calor p'ra casa."
(Ary dos Santos)

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Variações sobre António

Esta foi a primeira música que ouvi esta manhã: Estou além!, de António Variações. Eu tinha apenas 10 anos quando o músico faleceu mas recordo aquela figura estranhamente vestida, que cantava e, mais do que isso, interpretava umas canções diferentes, pelas letras e pelas melodias algo indefiníveis. Um estilo que marcava, porque estava muito à frente do seu tempo (às vezes penso como, ainda hoje, estaria...em certos aspectos).

Mais tarde, em 1987, Lena d'Água fez uma versão deste Estou além! e a música ficou-me ainda mais no ouvido.
"Não consigo dominar
Este estado de ansiedade
A pressa de chegar
P’ra não chegar tarde(...)

Vou continuar a procurar a quem eu me quero dar
Porque até aqui eu só

Quero quem
Quem eu nunca vi
Porque eu só quero quem
Quem não conheci(...)

Esta insatisfação
Não consigo compreender
Sempre esta sensação
Que estou a perder(...)

Vou continuar a procurar o meu mundo, o meu lugar
Porque até aqui eu só

Estou bem
Aonde não estou
Porque eu só estou bem
Aonde eu não vou..."

Com toda a certeza, todos nós já nos sentimos assim, algures ao longo da nossa vida. São sentimentos muito humanos: esta insatisfação, esta procura, esta sensação de querer algo que não temos...E julgo que não foi à toa que há uns anos atrás se designaram de HUMANOS os mentores do cd que recuperou para as novas gerações e, em certa medida, reinventou a obra de Variações.

Vinte e cinco anos depois continua a dar cartas.

E esta semana algum do seu espólio será objecto de leilão. O catálogo pode ser visto aqui.

domingo, 8 de novembro de 2009

Para um bom início de semana...

Apesar de já a ter sugerido algures neste blogue, e porque não me canso de a ouvir, aqui fica mais uma vez esta música: Hallelujah, do incontornável Leonard Cohen, nas vozes dos noruegueses Espen Lind(na guitarra), Askil Holm, Alejandro Fuentes e Kurt Nilsen. Este último merece-me um reparo especial. Até arrepia quando entra aos 02:06 e quando atinge o auge da interpretação aos 02:32!
Vale a pena ouvir...muitas vezes ;)

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Exposições

Na próxima semana inauguram duas exposições na nossa terra. A partir de 2ª feira, dia 9, e até final do mês, estará patente nas Piscinas Municipais a exposição "ORIGAMI-Cenários Dobrados" de Alexandre Carvalho e Maria Silva.

Na 5ª feira, dia 12, abre ao público a exposição “PENICHE: A CHAVE DO REINO – 400 ANOS A DEFENDER PORTUGAL”. Este evento integra o programa evocativo do 4º Centenário da Elevação de Peniche a Vila e Sede de Concelho (1609-2009) e trata-se de uma exposição de cartografia militar dos sécs. XVIII-XX. A inauguração será pelas 17 horas, no Salão Nobre da Fortaleza de Peniche e a exposição estará patente até dia 4 de Abril de 2010. A não perder!

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Encontroversas II

E é já na próxima semana que tem lugar a 2ª edição do Encontroversas, uma organização da CERCIPENICHE que pretende ser um espaço /tempo informal de encontro, conversa e alguma controvérsia (porque não?)
O programa deste ano, e respectivos painéis e convidados, convidam à participação. Nos dias 12 e 13 de Novembro passarão pelo Auditório Principal da ESTM personalidades como Laurinda Alves, Maria do Rosário Carneiro, António Gentil Martins, Narana Coissoró, Victor de Sousa, Francis Obikewlu, José Pinto da Costa ou Luís Filipe Rocha, entre muitos outros. As inscrições estão abertas e eu vou já tratar da minha ;)

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Parabéns

Especialmente dedicado aos amigos e familiares que hoje fazem anos (e são alguns) e áqueles que assinalam (ou assinalaram) mais um aniversário por estes dias (e são muitos), aqui deixo hoje este Soneto do Aniversário de Vinicius de Moraes:

"Passem-se dias, horas, meses, anos
Amadureçam as ilusões da vida
Prossiga ela sempre dividida
Entre compensações e desenganos.

Faça-se a carne mais envelhecida
Diminuam os bens, cresçam os danos
Vença o ideal de andar caminhos planos
Melhor que levar tudo de vencida.

Queira-se antes ventura que aventura
À medida que a têmpora embranquece
E fica tenra a fibra que era dura.

E eu te direi: amiga minha, esquece...
Que grande é este amor meu de criatura
Que vê envelhecer e não envelhece."

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

A morte não é nada...

E porque hoje é dia de fiéis defuntos aqui fica um texto de Santo Agostinho acerca da morte. A primeira vez que o li foi na lápide de um professor e amigo, o capitão Cardoso. Achei que não podia ter escolhido epitáfio melhor...


A MORTE NÃO É NADA

"A morte não é nada.
Eu somente passei para o outro lado do Caminho.

Eu sou eu, vocês são vocês.
O que eu era para vós, continuarei sendo.

Dêem-me o nome que sempre me deram,
falem comigo como sempre fizeram.

Vós continueis a viver no mundo das criaturas,
eu estou vivendo no mundo do Criador.

Não utilizem um tom solene ou triste,
continuem a rir daquilo que nos fazia rir juntos.

Rezem, sorriam, pensem em mim.
Rezem por mim.

Que o meu nome seja pronunciado como sempre foi,
sem ênfase de nenhum tipo. Sem nenhum traço de sombra ou tristeza.

A vida significa tudo o que ela sempre significou, o fio não foi cortado.
Porque estaria eu fora dos vossos pensamentos,agora que estou apenas fora das vossas vistas?

Eu não estou longe, apenas estou do outro lado do Caminho...

Quem aí ficou, siga em frente,
a vida continua,
linda e bela como sempre foi."

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Rip Curl Pro Search IV



E a Campeã do Rip Curl Pro Search Portugal é Coco Ho. A havaiana sagrou-se vencedora depois de disputar a final com Chelsea Hedges, prova que se realizou no Pico da Mota. Esta é a 1ª vitória de Coco Ho no WCT, até porque a surfista tem apenas 18 anos. Depois deste resultado, Coco subiu do 5º lugar da tabela para 3º. Stephanie Gilmore teve a pior prestação da época, mas mesmo assim continua em 1º lugar.

Vista rosa...

E amanhã é Dia Nacional de Prevenção do Cancro da Mama. Para assinalar a data, que tal vestir de cor-de-rosa?

PS - Imagem retirada do site da Rádio Renascença (http://www.rr.pt/) ...as suas locutoras dão o exemplo!

Bodas de ouro

E faz hoje 50 anos que estas personagens - e seus companheiros - viram a luz do dia ;) PARABÉNS!

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Rip Curl Pro Search III

E o Campeão do Rip Curl Pro Search Portugal é Mick Fanning. O australiano venceu a nona e penúltima etapa do Circuito Mundial ASP de surf, ganhando o seu terceiro título do Rip Curl Pro Search, o que o deixa mais próximo do Título Mundial.
Hoje, a prova prossegue no Pico da Mota, perto dos Belgas, com o round 1 feminino na água.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

A palma e a mão

Gosto desta música. "A palma e a mão" é a faixa que dá nome ao mais recente álbum de João Pedro Pais, lançado em finais do ano passado, e que conta com participações exclusivas de Jorge Palma, Pedro Abrunhosa e Zé Pedro.

(...) E se partires de manhã
deixa a sombra e o chão
esta noite eu e tu somos a Palma e a Mão

E no nome que te dei
tu já tens onde acordar
amanhã eu não sei
quem te vai abraçar
e então voltas do nada
sem pecado ou perdão
esta noite eu e tu somos a Palma e a mão (...)

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Saramago, Caim e as religiões II

Para encerrar este capítulo sobre as declarações de Saramago acerca da Bíblia, ou melhor, do Antigo Testamento, sugiro a leitura dos seguintes artigos:
- o artigo do físico e professor universitário Carlos Fiolhais, no Público de 6ª feira passada, aqui transcrita de um blogue em que colabora.
Parecem-me artigos equilibrados, ao contrário de outros que foram publicados e que, no meu entender, eram demasiado agressivos para Saramago. Não sendo minha intenção agredir a pessoa do escritor, não os cito neste post, porque julgo que "tudo o que é demais não presta"...e os extremismos e insultos não conduzem a parte alguma.
Para os mais interessados, aqui fica também uma referência ao frente-a frente entre Saramago e Carreira das Neves, que pode ser visto na íntegra aqui.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Passagem das horas

A propósito da mudança da hora, que ocorre já na madrugada do próximo Domingo, dia 25 -devemos atrasar o relógio 60 minutos- deixo aqui um excerto de "Passagem das horas" de Álvaro de Campos, heterónimo de Fernando Pessoa. Quem quiser ler o poema na íntegra pode clicar aqui.



"Trago dentro do meu coração,
Como num cofre que se não pode fechar de cheio,
todos os lugares onde estive,
Todos os portos a que cheguei,
Todas as paisagens que vi através de janelas ou vigias,
Ou de tombadilhos, sonhando,
E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero.
(...)
Não sei se a vida é pouco ou demais para mim.
Não sei se sinto de mais ou de menos, não sei
Se me falta escrúpulo espiritual, ponto-de-apoio na inteligência,
Consangüinidade com o mistério das coisas, choque
Aos contatos, sangue sob golpes, estremeção aos ruídos,
Ou se há outra significação para isto mais cómoda e feliz.
(...)
Vi todas as coisas, e maravilhei-me de tudo,
Mas tudo ou sobrou ou foi pouco - não sei qual - e eu sofri.
Vivi todas as emoções, todos os pensamentos, todos os gestos,
E fiquei tão triste como se tivesse querido vivê-los e não conseguisse.
Amei e odiei como toda gente,
Mas para toda a gente isso foi normal e instintivo,
E para mim foi sempre a excepção, o choque, a válvula, o espasmo.
(...)
Multipliquei-me, para me sentir,
Para me sentir, precisei sentir tudo,
Transbordei, não fiz senão extravasar-me,
Despi-me, entreguei-rne,
E há em cada canto da minha alma um altar a um deus diferente(...)"
Desenho de Júlio Pomar

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Saramago, Caim e as religiões

Ainda a propósito do post anterior, e já que nele falei em Saramago, hoje decidi dedicar-lhe este post. Não é porque seja fã do escritor, porque confesso que nunca consegui ler uma obra sua até ao fim (é capaz de ser um problema meu!); muito menos o sou da pessoa e da arrogância com que costumeiras vezes vem falar de Portugal e dos portugueses, bem como das convicções de cada um e, sobretudo, das dele próprio.

Vem o post a propósito da cruzada (e a escolha da palavra é propositada) que trava contra as religiões - que, segundo o próprio "...não servem para aproximar as pessoas nem nunca serviram"- e particularmente contra a Bíblia, neste último livro publicado que intitulou "Caim".
Saramago não percebe "...como é que a Bíblia se tornou um guia espiritual. Está cheia de horrores, incestos, traições, carnificinas."
E eu não percebo porque é que Saramago tem tanta necessidade de desacreditar um Deus que -segundo ele- nem existe, para vender livros! Até parece que a luta contra a "manipulação" prepertada pela religião é mais importante que a literatura.
Efectivamente, na Bíblia há relatos de tudo aquilo que diz - concretamente no Antigo Testamento, onde o autor foi buscar a personagem Caim.
A Bíblia é, na verdade, um conjunto de livros escritos em vários géneros literários (relatos históricos, salmos / poemas, epístolas/cartas, evangelhos (relatos sobre a vida de Jesus) - inspirado por Deus, para os que nisso acreditam- sendo que, a sua leitura não conduz o leitor, de per si, às acções nela relatadas. Nesse sentido não pode ser entendida como um manual e, muito menos, como "um manual de maus costumes", como o define Saramago.
É um livro com uma imensa carga simbólica, que não deve ser "lida à letra" e que -para ser verdadeiramente apreciada e entendida- requere algum conhecimento do tempo e dos lugares em que os livros que a compôem foram redigidos, da cultura e da história dos povos que nela vêm referidos e até dos idiomas em que foi escrita. A sua mensagem para os dias de hoje, cabe a cada um que a lê, ou ouve proclamar, retirar para si...se assim o entender.

Saramago também saberá - se efectivamente leu a Bíblia, como diz - que nela são igualmente numerosos os exemplos de amor ao próximo e os ensinamentos positivos, para além de conter belas peças literárias (independentemente do valor religioso que possamos, ou não, atribuir aos textos e às narrativas nela contidas)...mas isso não lhe interessa reflectir! Sim porque, para Saramago, o tema religião "É um motivo de reflexão, não uma fixação."
Ninguém diria!!!
Preocupou-se com a reacção dos judeus - que até não foi inflamada, mas que lhe responderam como ele merece, colocando-o no devido lugar - e surpreendeu-se com "a frivolidade dos senhores da Igreja". A mim não me surpreende a frivolidade do próprio Saramago ao fazer da religião "o ópio do povo"...porque no fundo é disso que se trata e, não é senão essa, a mensagem que quer passar.
Não concordarão com ele todos aqueles biliões de pessoas que, no mundo inteiro, vivem de boa fé a sua religião, sejam cristãos, judeus, muçulmanos ou hindus...só para referir algumas. Provavelmente porque têm necessidade de se ligarem a uma entidade superior, de se unirem aos outros que com ele (con)vivem... "re-ligare", é esta a origem do termo religião. Saramago não terá, porventura, essa necessidade. Ou terá conseguido colmatá-la com outras ideologias, já que é demasiado céptico para "crer" em algo.
É certo que, ao longo da história do mundo, houve (e continuam a haver) momentos particularmente infelizes, em que a religião justificou actos bárbaros contra o próximo (cruzadas, guerras santas, inquisição, leis que colocam em causa direitos básicos, etc). Mas felizmente que, hoje, são muito mais os exemplos positivos da acção da Igreja e dos ensinamentos religiosos por esse mundo fora que as consequências negativas da leitura da Bíblia. E esses, Saramago não os pode ignorar, por mais que queira.
Por mim,desta feita, também não quis ignorar as suas declarações...
Posso respeitar a sua opinião mas não quero respeitar a prepotência com que fala das convicções dos outros, partindo do princípio de que tem toda a razão do mundo...e por isso escrevi este texto.
Quem teve paciência para o ler até aqui também terá toda a liberdade para ler "Caim".
É que aqui não estão postas em causa as qualidades literárias do Nobel português, nem a possibilidade de fruição de uma obra literária já que, apesar do poder da literatura, ainda há que ter em conta a inteligência do leitor e a sua capacidade de interpretação e discernimento sobre o que lê...coisa que, Saramago, não parece reconhecer a quem lê a Bíblia!
A Igreja e a Sociedade, felizmente, evoluiram nalguns aspectos e hoje já não há livros negros, nem inquisição, nem listas de livros proibidos por ditaduras fascistas ou comunistas. "Caim" não constará em lista alguma deste género. Somos livres de ler o que bem nos apetecer e da leitura retirar o que de melhor nos puder dar!

Ps - Algumas das coisas que li para escrever este post: